EM ALTA

Martini - Advocacia, Assessoria e Consultoria Jurídica

Sobre As Músicas dos Dias Atuais

Um detalhe simples nessa capa do Legião Urbana.

Hoje em dia, qual vocalista colocaria seus colegas de banda na sua frente, na capa do CD?

Era uma época com verdadeiros músicos, cantores, idealistas. Uma era de cantores de verdade, que queriam apenas se expressar através da música contra uma sociedade, um governo, um preconceito.

Uma época de verdadeiros gênios musicais, onde o foco era levar a mensagem. Diferente de hoje.

Hoje vivemos uma era de músicas fracas, cantores fracos, pouca poesia ou história; e mais mitagem ou lacração. Onde cantores sem talento, sem voz, muito efeito e pouco dom; sem foco, apenas fazem pseudo-músicas para movimentar a conta bancária das gravadoras e de si.

A música hoje é um grito sem amor, sem sentimento, sem cor, sem união. Compare: Coloque qualquer música atual em frente uma "Pais e Filhos", "Bandolins", "Porto Solidão". Elas se esconderão como baratas que fogem da luz.

Antigamente existiam músicas com tanto amor e sentimento que você poderia tocá-las tranquilamente, hoje em dia, uma "Monte Castelo" em qualquer igreja, que já ganharia de 10 a 0 de qualquer música gospel atual.

A unidade entre cantor e banda antigamente se via nitidamente até nas entrevistas quando a entrevistadora perguntava ao ícone do rock dos anos 80, 'como era pra ele ser o líder da maior banda de rock do mundo' e ele dizia com toda calma do mundo que não era o 'líder da banda'. Palavras de Freddie Mercury ao ser indagado por Glória Maria.

Também não posso generalizar, pois eu sei que existem, e conheço, bandas jovens, pequenas, que tem o anseio de trazer de volta o amor pela música ao cenário musical nacional. Mas infelizmente, quem domina esse cenário hoje é 80% de gente sem talento. Apenas com muito dinheiro, bunda e lacração.

Desculpe, mas hoje em dia não vejo amor, sentido, sentimento, emoção ou união nas músicas. Dependem muito da tecnologia, da assessoria de imprensa, de muitas outras coisas que não tem nada a ver com o simples talento.

Ah, e sobre a capa do Legião Urbana que citei. Pelo que dá pra ver, Renato Russo era humilde e reconhecia a importância da sua banda, o talento dos seus colegas, o Marcelo Bonfá, o Dado Vila-Lobos e o Renato Rocha. E deu o destaque dessa capa pra eles.

Nem a pau. hoje em dia, um vocal se esconderia atrás de sua banda. Hoje tem muita estrelinha sem brilho natural.
Postagem Anterior Próxima Postagem