EM ALTA

Martini - Advocacia, Assessoria e Consultoria Jurídica

TEMOS UMA DÍVIDA HISTÓRICA COM OS CAVALOS

Aviso: Este texto não é racista. É apenas uma sátira da realidade. A mensagem passada é para reflexão e análise de comportamento.


É isso mesmo que você leu no título. Temos uma dívida histórica com os cavalos. Parece um pensamento meio idiota, e pode até ser. Mas o que isso significa?

Analisando pelo ponto de vista das ditas "minorias", todos que exerceram uma função (de escravidão) na época da colonização ou da construção das cidades, têm mais direito do que qualquer outra pessoa (branca).

A exemplo disso podemos ver as manifestações dos progressistas pelo que foi feito contra os negros (escravos) daquela época. Vendo que eles foram duramente (ou as vezes não) escravizados e torturados na época da colonização, eles tendem a dizer que o país pertence a eles e temos uma dívida histórica para com eles.

Mas aí entra a questão indígena. Se ao chegarmos aqui eles eram os donos da terra, temos uma dívida maior ainda para com os índios. Pois desbravamos (eu não) suas matas, enganamo-os (eu não) com presentes, lhes pregamos uma mensagem de evangelização (católica) forçada, e hoje eles tem pouca terra (eles tem hillux e eu não).

Seguindo esse raciocínio, tudo que o povo construiu para o Brasil chegar aonde está, foi vão. Seus bisavós, avós, pais, trabalharam em vão. Nada é nosso, tudo é deles. Mas de quem? dos índios ou dos negros? Vai dar briga isso aí heim.

De nenhum! Tudo que foi feito pertence aos cavalos.

Pois os cavalos foram usados pelos índios, pelos negros e pelos brancos para guerrear, trabalhar, passear. E o que eles tem? Apenas pasto e mato para comer. Eles merecem mais do que isso. Eles merecem reconhecimento.

Deem um cargo público aos cavalos, deixem-nos guiar a população como sempre guiaram (apesar que já tivemos um burro no poder durante 8 anos), paguem a dívida.

Mas se você é uma pessoa consciente, é claro que você descorda disso. Não é possível um animal guiar um país, estado ou cidade. Ele não é racional (Lula). Ao contrário dos índios e negros, que são seres humanos, brasileiros e podem sim se candidatar a um cargo público, demonstrando seu potencial intelectual, sem usar de histórias, dívidas ou mi mi mis.

Não existe essa questão de dívida história. O que aconteceu no passado simplesmente aconteceu. Quem deveria pagar por algum crime, pagou. A morte chega para todos. Mas as gerações futuras não tem nada a ver com os crimes do passado. Mesmo que tenhamos o sangue de algum daqueles senhores em nossas veias. Mas o que deve ser feito é daqui para frente.

O pobre, favelado não é diferente de um classe média na questão intelectual. Desde que você exercite sua cabeça e não seu bolso ou cor, você tem acesso a vários lugares nessa vida. Ficar chorando pelo passado não vai mudar o seu presente e nem encaminhar o seu futuro.

Se existem casos onde a cor ou a classe social não foram empecilhos para alguém crescer na vida, significa que é possível sim. Basta deixar preceitos e preconceitos de lado, dar um chute na história da desgraça passada e encarar os desafios sem medo e sem desculpas.

- 'Mas são poucos os casos em que pobres, negros ou índios cresceram na vida'.

Porque foram poucos os que tentaram de verdade. Foram poucos os que negaram vestir a camiseta do progressismo e do mi mi mi.

Mas esse é o meu pensamento. E você, o que acha?

Deixe sua opinião nos comentários.
Postagem Anterior Próxima Postagem