EM ALTA

Martini - Advocacia, Assessoria e Consultoria Jurídica

Chuvas em Ouro Preto também alagam

Na noite dessa segunda-feira, 21/11/16, presenciei uma cena que eu nunca pensei que presenciaria ou que aconteceria em Ouro Preto do Oeste.

Eu estava na casa de uns amigos, no bairro Novo Horizonte, naquele momento da chuva que deu, e a chuva estava forte como todos nos percebemos. Então meu amigo recebeu um telefonema de um irmão da igreja que ele frequenta. Eu estava me arrumando para ir embora para casa e meu amigo disse que o irmão da igreja precisava de ajuda para erguer os moveis, pois a casa estava alagada. Juro pra vocês que eu só via isso pela televisão e nunca imaginaria que isso aconteceria na minha cidade e que eu participaria. A avenida Governador Jorge Teixeira, na altura do boeiro próximo a igreja IBN Ágape, estava inundada de água ate a altura dos joelhos, dificultando a passagem ate de motos e carros. Ao ver aquilo já imaginei o estado que estaria a casa do amigo de meu amigo.

Entramos na casa e a cena era lamentável. A casa que, fica ao lado daquele igarapé, estava totalmente alagada, havia água ate a altura das canelas e já havia molhado sofás, fogões, comodas e guarda-roupas, e o que encontrávamos pela frente que pudesse ser erguido e tivesse lugar para ergue-lo, assim fazíamos. Na verdade só ajudei a erguer um guarda-roupa mesmo, pois quando cheguei la eles já haviam levantado a maioria das coisas. Fiquei pensando em como estavam seus corações vendo seus bens sendo encharcados de água. Bens que levaram tempos para serem adquiridos, custaram o suor da cara, e que em pouco tempo a chuva destruiu. Pensem vocês estando nessa situação.

Mas não vim apenas lamentar ou expor esse caso, que não deve ser o único. Vim expor para ver com vocês e com a prefeitura, caso chegue ao conhecimento deles, o que pode ser feito nessa situação.
Como citei em alguns posts anteriores a situação de nossos igarapés e bem critica, sem receberem nenhum tipo de manutenção, estarem bem poluídos, pouco aprofundados, deixando os beiradeiros a Deus dará. Sem saberem se na próxima chuva voltara a acontecer tudo outra vez.

Mesmo morando nessas áreas, que realmente são áreas de risco, eles merecem uma atenção especial. Talvez estejam ali de aluguel, porque não acharam um lugar mais barato, ou melhor pelo mesmo preço, pois a cidade atravessa uma terrível temporada de desemprego, e pagar o aluguel esta se tornando uma verdadeira missão impossível.

Comentem o que pode ser feito nessas circunstancias, tanto pelas famílias que habitam nessas áreas, quanto pela prefeitura, responsável pela manutenção da cidade e tendo a obrigação de proteger moradores de área de risco ou concertar falhas que ponham em perigo a população.

PS: Não quero por a prefeitura como vilã, mas quero destacar a sua responsabilidade quanto a esses mínimos detalhes.

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Fonte: Arquivo Pessoal

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião

Postagem Anterior Próxima Postagem